Potter In Belém


Brasília and My Birthday

Olá, amigos!

Tudo bem com todos?

Antes de tudo, quero manifestar meus agradecimentos à TAM e à GOL por terem aberto a temporada de viagens por menos milhas… assim, dia 13 estarei em SP… além do mais, meu bolso agradece! rsrs

Não fosse isso, acho que só voltaria em Dezembro porque do jeito que andam o trabalho sem recesso e as passagens caras, só presente de Papai Noel mesmo! Hehehehehehehehehehehe!!!

Descobri que o melhor momento para escrever o blog é durante minhas viagens de avião… não consigo dormir, assim como não consigo fazer nada além de pensar na vida sentado na poltrona… entonces, porque não passar para o papel? (Né não, djow!?)

No exato momento em que escrevo esse texto escatológico, estou sobrevoando uma região entre Altamira/PA e Santarém/PA, indo a caminho de Oriximiná/PA (acho que você nunca ouviu falar, né!? GOOGLE IT!!!)… e para ser mais exato, acabei de passar por uma turbulência das boas e fiquei deverasmente assustado… hehehehehehehehehehe!!!

Sobrevoando Altamira/PA

Sobrevoando Altamira/PA

Pois bem… devo dizer que desde o final de Maio, a vida tem andado bem agitada no campo profissional… minhas viagens e tarefas de vendedor têm tomado muito do meu tempo… e se por um lado isso toma da minha condição física (Eita gordurinhas que não me largam!), retribui também no aspecto emocional porque pude colocar a cabeça no lugar depois desse período emocionalmente turbulento…

Prova exata disso foi minha ida à Brasília, no começo de Junho (eu sei, demorei pacarai para postar isso!)… fiquei durante uma semana lá… em treinamento… onde rolava café da manhã, coffee break de manhã, almoço, coffee break de tarde e janta… além, é claro, das tradicionais confraternizações, como durante o primeiro jogo do Brasil na Copa… rsrs

Brasília

Fato é que deixei de ir na academia por duas semanas… uma por estar em Brasília e outra por ficar apagando incêndios no trabalho e, também, porque entrei numa semana de fazer social de noite com todo mundo (ui!)… e mais fato (FATÃO) é que engordei 3kg nesse período!

Brasilsilsil!!!!

Sim… ISTO É UM ABSURDO!

Mas relaxem… já estou quase na minha forma pré-Brasília… rsrs

Não será dessa vez que explodirei… acho… rsrs

Depois de Brasília, onde passei o dia do meu aniversário, fui para a terrinha (Suzano, a Paris Brasileira!) onde de fato comemorei essa data onde os cosmos, em uma dança harmônica, deu origem a esse ser que vos escreve… KKKKKKKKKKKKKK!!!

Não querendo me gabar… mas meus nívers são datas memoráveis e, como não poderia ser diferente, esse ano foi mais uma vez SHOW DE BOLA!

MEU NÍVER FOI FOD#, MALANDRO!!!

Para variar, também, a PT foi geral e o Buxixo ficou pequeno para o nosso caos… que o diga a Prima Jabutiiiiiii… KKKKKKKKKKKKKKKK!!!

Nem conheço!!!

Prima e IIIIIIeeeeeeeeelpo!

Sério… foi bom demais! Agradeço a todos que estiveram presentes… e a todos que, de alguma forma, desejaram coisas boas para mim… elas vieram!

Grande abraço!!!

Até a próxima… ALGODOAL…


Friends in Belém

Fala galera!

Tudo bem com você, leitor? (Sim… implantei um novo estilo de escrita, mais íntimo entre o interlocutor – Potter – e o leitor… rsrs)

As postagens têm se tornado cada vez menos freqüentes mesmo… pude constatar até mesmo pelos acessos, que diminuíram um pouco…

A razão é a confirmação daquilo que observei nas postagens: o tempo rareou…. rs

Sim… estou atarefado… rsrs

No trabalho, peguei um ritmo de promoção, resolução de B.Os (na minha humilde opinião de recém-aceito vendedor – um verdadeiro cabação rsrs – as duas maiores atividades de minha profissão), viagens e atividades ex-BR que tomaram aquela parcela do tempo na qual me dedicava para postar cultura (!?) nesse ilustre blog acompanhado por mártires queridos que serão recompensados com 70 virgens no paraíso (Momento filosófico: o que ganham AS mártires? Um cartão de crédito no limits!? rsrs) ou, pelo menos, com uma expressão de minha gratidão… OBRIGADO!

Pronto… você foi previamente recompensado!

Passemos ao tema dessa postagem…

Após a ilustre visita da Carol, vulga ex-Jagua (perdeu o título por não ter ido ao meu níver), fui contemplado com mais uma grande visita, dessa vez, coletiva! Os nomes dos intrépidos louc – OPS! – aventureiros (isso sim!)? Gláucia (Glau), Danilo (Dan), Maurício (Mau) e Laís (o temível Laisão)… amigos e colegas da Oxiteno com exceção do Dan, que conheci por meio da perspicácia da Glau, que o conquistou com seu jeito especial de ser…

Glau e Dan

Glau e Dan

 

Potter e Laisão

Mau e Potter

Depois de longa negociação, que se estendeu por longos chatmails, enfim acertamos (agora sou empresário sem fins lucrativos… criei a Potter Insane Tourism and Non-Sense Activities for a Better But Not Healthier Life) a vinda deles no último feriado de Corpus Christi… feriado religioso no qual quase todo mundo arruma algo para fazer que não ir para a igreja…. rs Pensando na infra-estrutura do evento, desenhei um roteiro que incluía visita aos locais turísticos de Belém como o Mercado do Ver-o-Peso, a Estação das Docas e o Mangal das Garças, almoços em restaurantes bãos de Belém como O Dedão ou Tok-Tok (ótimo caranguejo) e Estação Gourmet (self-service de primeira) além da boa baladinha em lugares que julgo de ponta como Templários (pagodinho de quinta), Parilla (sertanejo de quarta e sábado), Casa das 11 Janelas (pop-rock na sexta e melhor saidera de Belém, na minha opinião) e o bom e humilde Mormaço (carimbó e reggae aos domingos).

Casa das 11 Janelas

Mercado do Ver-o-Peso

Mercado do Ver-o-Peso - Rio Guamá

São José Liberto - Pólo Joalheiro

São José Liberto - Pólo Joalheiro

Mangal das Garças

Mangal das Garças

Além disso, procurei fazer coisas novas como atravessar o rio para almoçar e, também, visitar depois de muito tempo o bosque de Belém…

Estação das Docas

Praça da República

Praça de República

Como o tempo era curto, resolvi esquematizar o lance com passeios de manhã e à tarde, deixando a zuera forte para as noites…

Por fim, alugamos um carro para podermos andar livremente pela cidade…

Restaurante do outro lado do rio e que não me lembro do nome... rsrs

Eu diria que a primeira idéia foi, no final das contas, um mal necessário dado o tempo curto uma vez que pude eu mesmo sentir na pele o efeito do calor dessas bandas…

É sério… o caboclo não agüenta o tranco… é fod$!

Fez tanto calor que chegávamos exaustos dos passeios de dia… sem uma soneca e um banho antes, a noitada seria na cama… rsrs

Casa do Governador

Laisão e Glau cheias da graça... rsrs

Tartarugas fazendo orgia no Bosque... KKKKKKKKKKKKKKK!!!

Já a segunda idéia foi boa no contexto técnico… de fato, a locação saiu mais em conta que o táxi, porém, do ponto de vista prático foi um risco pequeno já que meu alter-ego motorista cometeu pequenos deslizes como andar sem querer na contramão duas vezes no mesmo lugar após afirmar veementemente que não faria a mesma mer&$ após a primeira… KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!! Foi muito comédia!

Acho que tudo isso foi, no final das contas, uma tentativa de divulgar Belém, um lugar que aprendi a amar e que vejo como lar…

Penso que o Pará como um todo é um Estado muito mal divulgado, sendo lembrado pelas polêmicas do MST, pelos casos criminais como o da missionária Dorothy Stang ou pelas mal fadadas tentativas musicais como Fafá de Belém, Calypso e, mais recentemente, Viviane Batidão e Mike de Mosqueiro (comédia demais!)… sim… respeito quem gosta, mas fod$-se! Acho tudo isso ruim pra caral&* mesmo!

Assim, espero ter proporcionado um momento de distração e conhecimento de um mundo novo aos meus 4 amigos, que em troca me proporcionaram grande alegria e satisfação.

Obrigado!

Até a próxima, se Deus quiser…


Paradoxical Time

Fala galera!

Tudo bem com todos?

Poxa… depois de tantos poemas e tantos sentimentos, creio que devo uma prosa para explicar e contar sobre tudo o que vem acontecendo nessa minha estadia nessa terra abençoada por Deus, destruída pelos homens.

Como vocês podem ver, passei por um tempo de sentimentos que alternaram a tristeza por estar longe dos amigos (mesmo os daqui se afastaram nessa época por razões profissionais e tals) e por estar apaixonado e ficar naquela dúvida entre falar ou não, além de ser ou não correspondido.

Junte a isso o fato da minha mãe ter vindo pra cá… o que me fez extremamente feliz até o momento dela ir embora… rsrs

Por fim, iniciou-se um tempo no qual muitos amigos (grandes amigos) que juntei por aqui irão para longe… seja para trabalhar, seja para voltar para casa e darem um basta na angústia de estar em um lugar que não lhe pertence e, até mesmo, porque coisas pelas quais não tive culpa aconteceram e acabaram machucando alguns deles… enfim… isso me deu a sensação de ter que começar do zero tudo aquilo que amealhei com muito esforço… em outras palavras, bateu-me o medo de ficar só, mesmo que por pouco tempo.

Já no trabalho, ainda não aconteceu nada de ruim… porém, tenho achado um pouco parado demais… mas acho que é coisa momentânea e nos últimos dias tem melhorado significativamente já que viajei e ainda tenho algumas viagens marcadas para as próximas semanas.

De todo modo… acho que a síntese da obra é que várias coisas ruins e poucas boas aconteceram nesses últimos tempos… e quando isso acontece, tendemos de um modo bem lógico e humano a ficarmos tristes, deprimidos e recolhidos… mas ao mesmo tempo, acendemos uma fagulha quando alguma esperança surge.

A vida é assim… não é fácil… não é constante nem para o bem, nem para o mal… porém, prefiro acreditar que é justa e que no final tudo dará certo desde que se mantenha a calma e as boas ações no sentido de sermos pessoas cada vez melhores… logo… honestidade, dignidade e compreensão… é disso que preciso agora para buscar novamente um momento de felicidade plena.

Peço perdão pelo que venho escrevendo… mas não consigo transmitir uma alegria ou um bom humor que não venho tendo há algumas semanas…

Confio novamente que tempos melhores virão e de fato têm vindo… condicionarei minha mente e meu coração nesse sentido, acreditem…

Penso que poderia ter bem menos que tenho agora… e do pouco que tenho, faço abrigo quente nesse meu inverno.

Antes de fechar a cortina, gostaria de deixar duas coisas… dois trechos que penso fazerem sentido nesse momento… um de uma música e outro de um poema que busco sempre recordar quando as dificuldades surgem, assim como quando vim para Belém e que, por tal motivo, abre meu blog.

“Tudo passa

Tudo passará

E nossa história não estará

Pelo avesso assim

Sem final feliz

Teremos coisas bonitas pra cantar

E até lá

Vamos viver

Temos muito ainda por fazer

Não olhe pra trás

Apenas começamos

O Mundo começa agora

Apenas começamos”

Legião Urbana – Metal Contra as Nuvens

 

“Vale a pena?

Tudo vale a pena se a alma não é pequena.

Quem quer passar além do Bojador

Tem que passar além da dor.

Deus ao mar o abismo e perigo deu,

Mas nele é que espelhou o céu.”

Fernando Pessoa – Mar Português

 

Grande abraço para todos e obrigado pelo apoio e pelos bons conselhos recebidos nesse momento complicado para mim…


Concrete

Mais que outrora estou de peito aberto

Assim então posso escrever

Resposta que brota do meu coração angustiado,

Yato com minha razão tão natural que,

Agora desse modo, destruída, parece inexistente.

Nada parecido com aquele sujeito que se faz duro

Aqui estou com minha mente flutuando no ar.

Keria que você não duvidasse do meu sentimento

Apenas brincalhão, porém, bastante profundo.

Bastaria apenas dizer um sim divino ou um não mortal que,

Uníssona mas simples, seria palavra o suficiente para eu entender

Ke você teria ou não interesse de passar os próximos tempos comigo.

Isso, menina, é forma estranha de demonstrar que estou apaixonado por ti.


Another Poem From Another Sad Day

Noite gélida e calada…

Não… não é a temperatura…

Moro no trópico… mas meu coração não.

Estou triste… quero badalar e esquecer as horas…

Mas quanto mais olho para o relógio, menos se passou.

É difícil fazer uma opção e olhar para frente resignado…

E lembrar-se disso enquanto outros riem e cantam.

Vim para cá e vou vencer…

Não há lágrima que me tire do meu prumo…

Nem amor que me desvie da reta…

Tão triste quanto isso é ver o futuro esvaindo-se por entre os dedos…

Futuro verde e forte aos meus olhos quanto a grama para os burros…

Ah! Como fui burro!

Esqueci mais uma vez que a vida é para ser vivida…

E  sofrida.

Porque se vem fácil, vai fácil…

Se vem difícil, sangra… mas na veia penetra e domina o ser.

Talvez assim o amor se faça cruel…

E quem aprendi a amar se vai embora…

Um a um… enquanto o ponteiro continua parado para mim.

Nos três pontos, uso da reticência para esconder o que quero,

Mas que os meus olhos poderiam entregar.

Além desse destino, há outro destino.

Além dessa lágrima, há outra lágrima.

Porém, quero acreditar que atrás de outro túnel, há somente a mesma luz.

Andarilho solitário… essa é a vida…

Essa é a sina de quem objetiva seguir sempre em  frente.

Vim para cá e vou vencer…

Não há lágrima que me tire do meu prumo…

Mas o amor… esse sim, meu caro… é mais difícil de vencer.


RExPA

Bom dia, cambada!!!

Tudo bem com todos?

Apesar de ter estado por aí nessa Páscoa, sei que devo um novo post…

Da última vez, disse que estava deveras (!?) ocupado com o trabalho e etc etc e blábláblá e tudo aquilo que ninguém tem coragem de dizer o contrário ou para não parecer vagabundo ou por medo de perder o emprego (qual é a sua escolha??? rsrs)… mas devo confessar que além disso, ultimamente estou surpreso com os B.O.s do trabalho… tenho enfrentado coisas como desvio de produto… sim… tem coisas que só o Potter faz por você!

Falando em proporcionar… vou deixar a multa chegar em casa para ilustrar que merda acontece… porque a fazemos! rsrs

Enfim… voltemos ao assunto…

A grande maioria dos que me lêem são paulistas… logo, não é de me surpreender que só conheçam times como São Paulo, Órfãos da Parmalat, Gambás e Santos (quem!?)… rsrs e que de repente ouçam vez ou outra sobre um tal de Flamengo, Vasssshhhhco, etc e tals… porém, aqui no Pará também há dois times que, a long time ago, fizeram parte da elite do futebol verde-amarelo… Remo e Paysandu… o clássico RExPA…

Remo

Paysandu

Quem acompanha futebol, com certeza se lembrará quando, por volta de 2000 a 2005, esses times faziam parte da primeira divisão… tendo jogadores memoráveis como Robgol, Iarley, Sandro Goiano, Vélber e outros grandes nomes que fizeram história (ou merda) em grandes clubes brasileiros…

Pois bem… Remo e Paysandu são no Pará o que São Paulo, Corinthians e Palmeiras são em Sampa… já o Tuna Luso é a Lusa daqui… tanto por ser o clube dos portugas quanto por já ter sido da elite, tendo apenas alguns torcedores loucos que ainda choram pelo time estar na fossa… rsrs

Glorioso Tuna Luso!

Partindo do postulado, é de imaginar que os dois nutrem uma grande rivalidade… o que é verdade… e que é maior que eu imaginava… chegando a encher o saco até desse são-paulino mala que zoa todo mundo até encher o saco alheio… hehehehehehehehehehehehe!!!

É uma zuação constante… qualquer peanuts é motivo pros dois se zuarem… até o fato do Paysandu estar na terceirona enquanto o Remo está na quarta (terceirona = quarta = na merda) é comentário recorrente igual ao dos nostálgicos órfãos da Parmalat sobre aquele fatídico gol do Alex…

Enfim… f*$%-se… o importante é que o RExPA é o segundo evento mais importante do Pará, só perdendo para o Círio de Nazaré… e o mais importante é que o especialista paulista em assuntos paraenses (especialista paulista em assuntos paraenses = Potter, viu!?) esteve lá pra relatar mais essa para vocês…

Tudo começou assim…

Estava eu um dia numa pizzaria, bebendo com uns amigos meus (a saber, Capixaba, Catarinense, Claudinha e Flavinha) quando notamos uma japinha (tome nota: Maryana)… papo vai, papo vem… e a Flavinha foi puxar assunto com a japinha da outra mesa que, solicitamente, foi conversar conosco…  conversamos bastante e descobri que ela poderia ser uma amiga em potencial… uma pessoa bastante interessante, para ser sincero… e então ela se foi com os amigos, porém, iluminadamente pedi o telefone dela antes da derradeira despedida.

Daí que toda essa história é pretexto para a razão que me fez telefonar para a Mary no meio da semana, querendo programar algo para o fim de semana… foi quando ela disse que iria com uns amigos para o RExPA, último jogo da final do primeiro turno do Parazão, vulgo Campeonato Paraense.

Como já queria assistir um RExPA faz tempo, disse para ela que eu gostaria de ir também e, assim, combinamos para irmos juntos… levando meu fiel escudeiro, Capixaba.

Capixaba, vulgo Gleydson

Enfim, chegou o dia do jogo e lá fomos Capixaba e eu para o jogo no carro 0km dele… buscamos a Mary em casa e tocamos para o Mangueirão, maior estádio do Norte e um dos melhores do país (huuuuuuuuuuum… mangueirãããããããããooooooo!!! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!! Sossega, Duka!).

Mangueirão

Chegando lá, compramos o ingresso e tocamos para a entrada do estádio… até aí, tudo na maior normalidade… porém, foi nessa hora que comecei a experimentar coisas novas nessa vida pacata…

Então uma vez na entrada, reparo que lá na catraca havia um pessoal da cavalaria da PM e um p&%# vuco-vuco (!?)… quando de repente uma galera sai acelerada do bolo, tossindo feito louco… pois é, soltaram gás de pimenta no povão… hehehehehehehehehehehehehe!!!

Cara… eu estou rindo porque foi engraçado ver a galera tossindo, chorando e etc e tals… porém, mesmo que levemente, fui vítima do gás e posso dizer com todas as palavras… É FO#@!!!!!!! Arde tudo… fica difícil até respirar… é horrível demais! Essa experiência cortou todas as minhas esperanças de um dia fazer protesto ou, na pior dos hipóteses, baderna com outros populares… não quero isso pra mim! rsrs

Passado o susto, adentramos o estádio… tudo muito bonito… seja o estádio em si como a torcida do Papão (Paysandu) e do Leão (Remo)… claro que a do Papão estava uns 10% mais bonita porque eu estava lá… hehehehehehehehehehehehe!!! Claro que você deve imaginar nesse momento da leitura que a modéstia da minha pessoa ocorreu por haver meio dúzia de gatos pingados no estádio, mas não… éramos em incríveis 30.000 pessoas, aproximadamente… realmente bem legal essa atmosfera do estádio… sem violência, de buenas… e, sim, sou modesto! ; )

Torcida do Papão

Torcida do Leão

Nossa torcida... minha torcida... rsrs

Mais uma, só para atestar...

O primeiro jogo tinha terminado em 4×2 para o Paysandu, logo, tinha uma boa vantagem… porém, ainda no primeiro tempo o Leão fez 2×0… o que me fez pensar ser um pu%@ de um pé frio do car*$%, porém, a sorte foi meu brother e o Papão levou o título empatando por 3×3.

Na saída do estádio, depois de ver a comemoração do título e os car*@# a 4, pude enfim ter contato com a cultura paraense na sua expressão mais pop… logo passando a catraca na saída, uma série de barracas de espetinho de gato (se era de gato, agradeça por ter comido gato de verdade!) e uma pu&@ sonzera misturada com a galera bebendo e dançando (bem esquema de “emendar a balada”) tocando SuperPop e outros grupos do Technomelody… confesso que fiquei incomodado por ser tudo tão estranho, mas como estava tudo na santa paz, fiquei de buenas observando essa expressão popular (se sociologia desse grana, acho que eu encararia)…

Pois é, galera… acho que o grande barato de ter vindo pra Belém foi ter entrado em um choque cultural que, no final das contas, tem sido bem mais positivo que o imaginado… claro,  devo confessar que isso se deve ao fato de eu estar com o coração aberto, livre de qualquer preconceito com o diferente porque, no somatório de tudo, o Pará é isso… é algo totalmente diferente daquilo que estamos acostumados a ver, sentir e viver em São Paulo (restrinjo-me ao que conheço). Ao mesmo tempo em que sei ter largado uma série de coisas legais como uma excelente infraestrutura e os bons amigos, sei também que embarquei numa aventura sem volta que, se Deus quiser, apenas começou em Belém.

Até a próxima,

Potter


Water and Trees – Manaus!

¡Buenos dias!, amigos míos.

¿Como están todos ustedes?

Sim… estou estudando espanhol, sabiam!?

Potter também é cultura… útil! rsrs

Pois é… há tempos pacas que não postava nada, né!?

Sim… vocês têm razão, mas eu também tenho minhas desculpas que guardo no bolso para as horas necessárias.

Devo confessar que já estou levando uma vida 100% normal, com a rotina presente (nããããão!!!) e as paúras que ela nos traz.

O trabalho já tem consumido um largo tempo… muitas vezes, indo além do meu horário padrão de 8h-18h… mas isso é muito bom e, principalmente, tem sido muito bom. Sinto que já ganhei a confiança do meu chefe (agora é mantê-la, não!?) e da equipe, conheci os chefes do meu chefe e foi uma experiência fantástica… pude guardar aprendizados diretos e indiretos que levarei para a minha carreira… e percebi que além de vendas ser um eterno resolver B.O.s que não o deixa cair na rotina, minha paixão é mais localizada… percebi que adoro negociar… olho no olho, tons de vozes e expressões para cada ocasião (que muitas vezes, mudam em segundos) sempre tentado extrair o máximo de informação para montar a sua estratégia (que muitas vezes, também mudam em segundos)… enfim, amo muito tudo isso! (Não recebi nada para fechar o parágrafo com isso, viu!? Nem um mísero McLanche Feliz! rsrs)

Além disso, o espanhol e o MBA têm ocupado aquele espaço que poderia ficar para o diabo… e devo confessar que foram escolhas acertadas pois além de fazer o proposto, também me abriu caminho para boas e novas amizades.

Por fim, entremos no assunto-título… Manaus!

Estava eu semana passada, de buenas, em meu workplace improvisado, quando meu chefe disse que enfim eu iria para Manaus… e fui mesmo!

Terça-feira… acordei empolgado porque conheceria um lugar novo, diferente, enfim, viajar um pouco mesmo que a trabalho… arrumei minha mala e fui trabalhar um pouco antes de ir, de fato, viajar… e assim foi até 11:00, quando fui para o aeroporto.

Vôo levantado e logo no começo saquei qual era o esquema… a rota Belém-Manaus foi feita inteira sobre o Rio Amazonas (e adjacências… rsrs) e, véio… juro pra vocês que nunca vi tanta água e árvore! De fato, aprendi a respeitar esses patrimônios naturais que são o rio e a Floresta Amazônica.

Água a perder de vista!

Para se ter idéia… o tempo favoreceu porque havia poucas nuvens e, mesmo por sobre elas (altura de cruzeiro é de 11.000km!), o que se via abaixo era somente árvores e uma imensa faixa de rio com vários ramais e, em alguns pontos, ilhotas dentro dele… é impressionante e lindo! A impressão que dava é o que o rio tinha largura de quilômetros (de fato tem, como pesquisei agora… fantásticos 5km, em média!). Além disso, imagine viajar por 2 horas sobre um rio. Pensando que um avião comercial viaja em média a 800km/h, podemos dizer que percorremos 1.600km de rio… ou mais que a metade da distância entre Belém e São Paulo… é realmente impressionante!

Ilhotas

 

Nem faço idéia do que se trata... rsrs

Cara... isso é surreal!

Também tem a divisão entre o Rio Negro (água escura, obviamente) com o Rio Solimões (marrom)… minha colega viu… já eu, perdi a cena! (Maldita Super Interessante que me distraiu nesse momento!)

E… desfecho triste… foi a única parte interessante de fato… rsrs

Chegando em Manaus, pude perceber logo que é uma cidade mais moderna e populosa que Belém… porém, isso não quer dizer muito pois isso quer dizer mais trânsito, mais poluição e, por fim, mais aperto. Há também o calor e a umidade, mais intensos.

Foi justamente o aperto de Manaus que me chamou a atenção… as ruas são muito apertadas e as construções são bem próximas umas das outras… achei meio sufocante.

Em Manaus também há trânsito! Não temos para onde fugir, não!?

Além disso, decepcionou-me também o fato da noite lá não ser tão agitada… mesmo sendo uma terça-feira, posso afirmar que Belém tem uma night (!?) mais melhor de bão… o que não me impediu de tomar uma gelada e ir conhecer o Teatro Amazonas, que é de fato muito bonito por ter uma arquitetura bem detalhada… além da praça em que fica, que é bem agradável.

Teatro Amazonas

Prédio atrás do teatro... mas que perguntei e não souberam me responder o que era...

Jardim e igreja da praça do Teatro Amazonas

Detalhe do teto da sacada do teatro... arquitetura muito bonita!

Também não posso ser desonesto… Manaus parece ser bem organizada… o transporte público é melhor que o de Belém (o pior dentre as capitais) e a cidade mostra ter mais infraestrutura e indústrias, fruto da Zona Franca de Manaus. Tanto isso é verdade que há muitos fretados pela cidade que alimentam as diversas fábricas como a Philips e a Honda.

Manaus

Por último, é impressionante a quantidade de gringos pela cidade… desde os asiáticos que fazem negócios pelas indústrias até os norte-americanos e europeus que passam pela cidade a passeio e/ou estudo (para ser bonzinho), estes na maioria jovens.

Alguns se perguntam… que raios fui fazer em Manaus… é simples, fui fazer um treinamento e conhecer a equipe de coordenadores e gerente regionais… são pessoas muito legais, solícitas e de largo conhecimento… foi uma experiência bem legal conhecê-los e conversar também… levo aprendizado para toda a minha carreira na Cia.

Bem… peço desculpas pela demora e acho que boas novidades estão por vir… aguardem!

Abraços para todos…

Saudades de vocês!


Potter’s Cave (Upgraded!)

Fala galera!

Tudo bem com todos?

E os preparativos para o Carnaval?

Estou preocupado com o meu… parece que vai ser uma grande mer%$!

C’est ça! – Já diria o Laisão… que saudade do Laisão!

Já fazia tempo que eu queria fazer um post sobre minha toca, dessa vez devidamente terminada, mas como sempre apareceu um tema mais interessante, posterguei algumas vezes.

Pois bem…

Não sei se vocês se lembram, mas no início, tudo o que eu tinha era um colchão inflável (nenhuma saudade…), uma geladeira, um guarda-roupa e a po$$% de um microondas que até agora mal usei…

Isso era o básico do básico, o mínimo para sobreviver (eu sei, sou fresco… eu sei também, muitos dariam muito por isso, mas enfim… fod$-se!)… era… porque agora posso dizer que já estou confortável com a toca que tenho!

Primeiro, comprei uma TV, um rack e uma mesa de computador para a sala/quarto, que já conta também com uma cama box que já fiz o favor de quebrar não me perguntem como… hehehehehehehehehehehehehehe!!! (*risada diabólica) Brincadeira… brincadeira… não pensem besteira… melhor, não pensem. Além disso, instalei um bom ar condicionado que, pude constatar depois, é de fato um item de sobrevivência e um meio de tornar muitas coisas viáveis pelas bandas de cá (!?)…

Entrada da Potter Caverna

Entertainment System... KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!

Cama, Sofá, Matad... ops! rsrs

Ar Condicionado... Codinome: Salvador

Já no quarto/quartinho, trouxe um ferro de passar roupa e comprei uma tábua de passar… já que estava de saco cheio de levar roupa pra lavar e passar e elas voltarem todas amassadas… pra quem trabalha com vendas/aparência (eu sei, preciso melhorar nesse último), é fundamental estar alinhado, biíto (cacildis!) e com o cabelo “que mamãe penteou pra mim”… rsrs

Lugar onde nada acontece, mas que deveria teoricamente falando.

Outra parte do quarto... vulgo nada...

Já na cozinha, comprei um armário pra guardar panelas e utensílios (sim!) e um providencial fogão (fiz comida uma única vez, depois fiquei com preguiça de fazer novamente e resolvi viver de macarrão, mini-pizza, pastelzinho, pão com hambúrguer e cachorro quente… rsrs).

Cantinho da Arte da Potter Caverna

Achei essa foto muito feia... sei lá!

Um prato na mesa... por enquanto...

Armário dos Pincéis e Tintas

Ainda não descobri porque raios comprei esse microondas... tsc tsc tsc

Nhaaaaaaaaaaaammmmmmm!!! : )

Assim como arrumei a casa, acho enfim que me arrumei por aqui… agora posso dizer que já me sinto 100% adaptado à Belém e à rotina que tenho… o que ainda é estranho pra mim é sentir que vivo num ritmo diferente de antes (afinal de contas, morri para a vida passada) onde a cada hora é uma cia diferente, um esquema diferente, uma saidera diferente… nada como aquela rotina dos mesmos rostos, das mesmas histórias, sempre nas mesmas mesas… há relatos que essas mesas já não são como outrora… e isso me deixou um pouco triste.

Grande abraço, amigos de sempre!

Welcome!


… Continuing…

Prima… valeu pelo apoio…

Posto o que queria continuar ontem, misturando com o que conversamos ontem…

“Eu gostaria de pode ficar sem coração algumas vezes…

Queria poder ficar sem ele para pode me livrar de alguns sentimentos.

Mas como não posso me ver sem ele,

Ora faço-me de Clown, ora de Pierrot

Ora alegre… ora triste…

Faço de um, mil e, se assim consigo, fico satisfeito… e resignado.”

Te amo Prima!!!


A Little Bit About These Days

Hoje estive pensando em quanto tempo perdi ou ganhei desde então

Vejo meus amigos passarem assim como meus amores indo

E então? Estão suas faces se apagando e seus sorrisos se esvaecendo?

Saudades daqueles bons tempos em que um trago e um copo de cerveja

Não eram apenas tempo de esquecer do dia difícil, mas tempo de rir

Para então rindo de mim, esquecer que mais um dia fui eu mesmo.

Hoje falei com a minha mãe e pensei se ainda faço certo.

Ela disse: “Seu irmão chorou hoje. Está se sentindo fracassado.”

Mais para frente, perguntei: “Mãe, isso dá para comprar a sapatilha?”

Chorei comigo mesmo e fiz de mim pedra tosca mais uma vez.

Às vezes sinto-me só, às vezes sinto-me fraco

Às vezes sinto que não resto muito, às vezes penso o quanto me resta.

Estudos e mais estudos… e ainda tento entender o que leva você…

Você!? Você vende seu corpo? Você quer meu corpo?

O que posso fazer além de entender? Aceitar? Ou pior, entender?

Sim… não são dias fáceis, são os ponteiros girando freneticamente.

E com eles vivo letargicamente, segundo após segundo, e assim vou.